quarta-feira, 31 de janeiro de 2018

CEB abre edital de R$ 10 milhões para projetos de uso racional de energia
Emerson F. Tormann17:43

Programa aceita, por exemplo, propostas de troca de equipamentos, como ar-condicionado, e de instalação de aquecimento solar


Clientes públicos e privados da Companhia Energética de Brasília (CEB) podem concorrer a edital que bancará projetos com foco na eficiência energética e no combate ao desperdício de energia elétrica. O certame disponibiliza R$ 10 milhões.

O prazo para envio de propostas vai até 18 de fevereiro para os usuários do setor privado e até 17 de março para os do setor público.

Para participar, é preciso enviar um projeto que atenda às especificações técnicas do edital e que inclua todo o planejamento, como aquisição de materiais e contratação dos serviços.
A CEB faz repasse de valores aos selecionados à medida que esses apresentam comprovações de compras e instalações

Nos custos, os clientes devem considerar gastos com a fiscalização da companhia. Os valores são definidos pelo edital.

Isso é importante porque a CEB não executa as propostas. Ela faz o repasse de valores aos selecionados à medida que esses apresentam comprovações de compras e instalações.

Para quem tem fins lucrativos, o benefício funciona como um financiamento, pois, nesse caso, os recursos precisam ser restituídos ao programa.

O prazo de devolução é longo, com base na vida útil dos equipamentos, e sem juros, apenas com reajuste pelo Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo(IPCA). A ideia é que o retorno seja pago apenas com o que será economizado na conta de energia.

Além de ações de eficiência energética, os clientes podem sugerir, por exemplo, a instalação de fontes alternativas de energia.

“Podem propor a troca de qualquer equipamento elétrico, ar-condicionado, aquecimento de água, refrigeração, câmaras frigoríficas. Um projeto pode incluir várias coisas, inclusive fontes alternativas de energia, como as placas fotovoltaicas [de energia solar]”, exemplifica Junio de Matos, engenheiro eletricista da Gerência Socioambiental e de Pesquisa e Desenvolvimento da CEB.

O documento deve conter ainda informações de consumo, com a expectativa de quanto vai permitir de economia. Esse é um dos critérios de seleção.
O que será levado em conta na seleção dos projetos

Os projetos serão pontuados, entre outros itens, pela relação custo-benefício, pela qualidade e pelo impacto direto na economia de energia e na redução de demanda no horário de ponta (que na CEB é das 18 às 21 horas no horário normal e das 19 às 22 horas no horário de verão).

Os R$ 10 milhões serão divididos em:
  • R$ 5 milhões para projetos em áreas de comércio e serviços e residencial
  • R$ 4 milhões para projetos do setor público
  • R$ 1 milhão para projetos em áreas industrial e rural
  • Programa de eficiência energética da CEB

Entre as obrigações previstas em contratos de concessão firmados pelo Ministério de Minas e Energia está a aplicação de, no mínimo, 0,5% da receita operacional líquida da distribuidora em ações de combate ao desperdício de energia (programas de eficiência energética).

A medida, prevista na Lei Federal nº 9.991, de 2000, é fiscalizada pela Agência Nacional de Energia Elétrica (Aneel).

AMANDA MARTIMON, DA AGÊNCIA BRASÍLIA

segunda-feira, 29 de janeiro de 2018

Como ativar HTTPS em domínios personalizados do Blogger
Emerson F. Tormann22:09



Antes de começarmos vamos explicar um pouco sobre HTTPS e as vantagens de utilizar esse recurso de segurança.

O que é HTTPS?

HTTPS (protocolo de transferência de hipertexto seguro) é um protocolo que usa a conexão HTTP criptografado com segurança de camada de transporte e HTTPS é a versão segura do HTTP.

HTTPS é usado para proteger os dados transmitidos de espelhos (o sites clonados ou falsos). Este é o protocolo padrão para a realização de transações financeiras na web, e pode proteger os usuários de um site da censura governo ou do provedor. Dessa forma, também é mais fácil garantir a segurança de informações como senhas de e-mails, acesso a redes sociais e dados de cartões de crédito.

Quais as vantagens de utilizar HTTPS?

O uso do HTTPS em vez do HTTP para acessar seu blog tem três vantagens principais:

  • Ajuda a confirmar que os visitantes estão abrindo o website correto, não sendo redirecionados para um site malicioso.
  • Ajuda a detectar se um invasor tentar alterar dados enviados do Blogger para o visitante.
  • Adiciona medidas de segurança que dificultam a escuta das conversas, o rastreamento das atividades e o roubo das informações dos visitantes.
É claro que o propósito de usar o HTTPS em blogs é otimizar o blog nos motores de busca, ou  conhecido também como SEO (otimização do mecanismo de pesquisa). Além de servir como segurança para os visitantes, o HTTPS afeta fatores de avaliação do mecanismo de pesquisa como Google, Bing, Yahoo!, Yandex e etc..

Portanto, isso deve ser considerado já que esse recurso é visto com bons olhos pelos visitantes do seu site e serve para impulsionar no ranking de acesso da web.




Como habilitar o HTTPS no seu blog com domínio personalizado?

Pode-se dizer que este é um novo recurso no Blogger, descoberto recentemente por desenvolvedores da plataforma. Pode ser usado inclusive em blogs com sub-dominios. O recurso pode ser ativado substituindo o www do endereço do painel de controle do seu blog por draft. Digite ou simplesmente acesse draft.blogger.com depois de já estar logado no seu blog.

Em seguida vá no menu Configurações > Básico > HTTPS e mude a opção para "SIM"



Aguarde uns minutos até que a disponibilidade de HTTPS seja verificada. Recarrege (F5) a página e ative o "Redirecionamento para HTTPS" se você quiser que os visitantes só acessem seu blog usando o site seguro.


Aguarde mais alguns minutos (pode demorar um pouco) e pronto. Seu site estará com a segurança que precisa para evitar invasões de hackers e garantir a fidedignidade das informações disponibilizadas aos seus usuários / visitantes.


Saiba mais sobre o HTTPS

quarta-feira, 10 de janeiro de 2018

Chuva surpreende e conta de luz pode ter 1° tri de bandeira verde, sem taxa extra
Emerson F. Tormann21:19


Chuvas surpreendentemente positivas no início de 2018 têm impulsionado uma virada de expectativas entre especialistas em energia, que agora apontam a possibilidade de uma recuperação mais rápida nos reservatórios das hidrelétricas, principal fonte de energia do Brasil, com impacto direto nos custos da eletricidade.

O cenário mais favorável deve permitir que as contas de luz dos brasileiros sigam ao menos durante todo o primeiro trimestre com a chamada bandeira tarifária verde, que significa condições favoráveis de geração e não gera custos adicionais para os consumidores.

Na reta final de 2017, a bandeira tarifária foi vermelha, impactando os consumidores com um custo extra de até 5 reais a cada 100 kilowatts-hora em eletricidade. Na época, havia previsões de que um período de chuvas abaixo da média histórica poderia levar à continuidade das cobranças adicionais em 2018.

"Acredito fortemente que janeiro, fevereiro e março terão bandeira verde, ainda mais se continuarem essas afluências... vai aliviar a conta, ao contrário do que estava acontecendo no último trimestre de 2017", disse à Reuters o diretor comercial da Energética Comercializadora, Laudenir Pegorini.

As bandeiras tarifárias geram cobranças adicionais quando no patamar amarelo ou vermelho, enquanto a bandeira verde, já anunciada pela Agência Nacional de Energia Elétrica (Aneel) para janeiro, não traz custos extras.

"A perspectiva do mercado é que nos próximos meses teremos bandeira verde. Para sair disso teria que mudar completamente o cenário hidrológico", reforçou o presidente da FDR Energia, Erik Azevedo.

Grandes consumidores

As chuvas acima da média na região das hidrelétricas do Sudeste e uma melhoria em um quadro hídrico até então crítico no Nordeste também impactaram os preços no chamado mercado livre de eletricidade, em que grandes clientes, como indústrias, negociam contratos com geradores ou comercializadoras ao invés de serem atendidos por distribuidoras de energia.

Contratos de energia para o primeiro trimestre do ano têm sido negociados atualmente a cerca de 145 reais por megawatt-hora, contra 220 reais na reta final de 2017, disse o sócio da comercializadora Compass, Gustavo Arfux.

"A condição de janeiro por enquanto está favorável, a chuva está encaixando (caindo nos pontos certos) e a gente está vendo os preços caírem", disse.

A mudança no cenário de preços tem gerado liquidez no mercado de eletricidade, com empresas buscando fechar contratos para aproveitar a redução das cotações, afirmou o presidente da plataforma de eletrônica de negociação de energia BBCE, Victor Kodja.

Segundo ele, a BBCE já negociou cerca de 1.277 megawatts médios em contratos em janeiro, contra apenas 400 megawatts no mesmo mês do ano passado e uma média de 2 mil megawatts por mês ao longo de 2017.

"As chuvas vieram acima da expectativa do mercado e isso gerou uma certa volatilidade... os preços variaram bastante, caíram de forma significativa, e isso trouxe até uma movimentação para a plataforma que não é comum nessa época do ano", afirmou.

As precipitações na área das hidrelétricas do Sudeste até a terça-feira representaram 101 por cento da média histórica para o mês de janeiro e 156 por cento da média no Sul, enquanto no Nordeste houve uma recuperação para 50 por cento da média, contra níveis entre 20 e 30 por cento na maior parte de 2017, segundo dados da Câmara de Comercialização de Energia Elétrica (CCEE).

Números da CCEE ainda mostram que as chuvas têm possibilitado uma recuperação mais rápida que a prevista nos reservatórios do sistema elétrico brasileiro, que podem fechar janeiro com 34 por cento da capacidade de armazenamento, contra menos de 24 por cento no começo do mês e 27 por cento nesta semana.

A capacidade de armazenamento fechou janeiro de 2017 em quase 38 por cento. No ano passado, o Brasil teve bandeira verde em janeiro e fevereiro. Em março, consumidores enfrentaram bandeira amarela.

Fonte: Reuters

Brasil chega a marca de 1 GW de potência gerada por energia solar fotovoltaica
Emerson F. Tormann21:15


O Brasil alcançou a marca histórica de 1 gigawatt (GW) de potência instalada em usinas de fonte solar fotovoltaica conectadas à matriz elétrica nacional. De acordo com a Associação Brasileira de Energia Solar Fotovoltaica (Absolar), responsável pelo levantamento, a potência é suficiente para abastecer 500 residências e atender o consumo de 2 milhões de brasileiros. O resultado também coloca o Brasil entre os 30 países do mundo, de 195, que possuem mais de 1 GW de fonte solar.

O presidente da Absolar, Rodrigo Sauaia, reconhece avanços, mas destaca que o país ainda está abaixo do seu potencial. "O Brasil está mais de 15 anos atrasado no uso da energia solar fotovoltaica. Temos condições de ficar entre os principais países do mundo nesse mercado, assim como já somos em energia hidrelétrica, biomassa e eólica. Para isso, precisamos de um programa nacional estruturado para acelerar o desenvolvimento da energia solar fotovoltaica", disse por meio de nota.

Ele também explicou que essa marca é decorrente do crescimento dos mercados de geração centralizada e geração distribuída solar fotovoltaica em 2017. "Na geração centralizada, contamos com a inauguração de grandes usinas solares fotovoltaicas contratadas pelo governo federal em leilões de energia elétrica realizados em 2014 e 2015. As usinas em funcionamento estão localizadas principalmente nos estados da Bahia, Piauí, Minas Gerais, Rio Grande do Norte e Pernambuco e representam uma potência total de 0,935 GW", informou.

Na geração distribuída, também foi registrado crescimento no uso pela população, empresas e governos de sistemas fotovoltaicos em residências, comércios, indústrias, prédios públicos e na zona rural, em todas as regiões do país. A potência total, nesse caso, é de 0,164 GW. "Somando estes dois segmentos do mercado, atingimos praticamente 1,1 GW operacionais no país desde o início de 2018", informou Rodrigo Sauaia.

Fonte: Agência Brasil - ABr