terça-feira, 9 de fevereiro de 2016

Projeto do Google quer oferecer internet 5G com drones movidos a energia solar
Emerson F. Tormann02:48



O Google tem um grande interesse em drones: eles compraram uma fabricante desses veículos, e querem até lançar um serviço de entregas pelo ar. O que a empresa quer fazer com suas aeronaves não-tripuladas? Oferecer internet ultrarrápida, é claro.

O Guardian revelou detalhes sobre o Project SkyBender, um projeto secreto do Google para transmitir internet 5G através de drones.

A empresa está usando drones para testar transmissões de rádio de ondas milimétricas, que podem ser adotadas no padrão 5G. Essas ondas podem, teoricamente, transmitir até 40 vezes mais dados do que redes 4G atuais.

O desafio das ondas milimétricas está em seu alcance: ele é muito menor do que os sinais de telefonia móvel. O Google está testando transmissões em 28 GHz, que desaparecem em um décimo da distância de um sinal 4G.

Para fazer ondas milimétricas irem mais longe, é preciso usar um equipamento especial, chamado “antena conjugada com controle de fase“. O problema: isso é complexo e gasta muita energia.

Por isso, é preciso realizar diversos testes. No ano passado, o Google montou vários protótipos de transceptor, e vem pagando US$ 1.000 por dia para testá-los no Spaceport America (EUA), terminal projetado para futuros voos espaciais da Virgin Galactic.

Tudo isso faz parte da equipe Google Access, que também cuida do Loon – o projeto entrega internet sem fio usando balões na estratosfera.

O Project SkyBender está sendo testado com uma aeronave chamado Centaur e com drones movidos a energia solar feitos pela Google Titan, divisão formada quando o Google adquiriu a Titan Aerospace em 2014.

O Facebook também planeja criar uma rede de drones gigantes que usam lasers para fornecer internet a partir dos céus – a rede social demonstrou um protótipo de drone, chamado Aquila, para esse projeto.

Fonte: THE GUARDIAN


Torre de TV - Brasília / DF
Sobre o blogueiro Emerson F. Tormann Possuo conhecimentos avançados em engenharia de redes de computadores e infra estrutura de servidores (o famoso CPD). Cabeamento estruturado: lógica, elétrica estabilizada (nobreak/gerador) e telefonia (centrais telefônicas). CFTV e sistemas de monitoramento e inspeção remotos. Facebook e Twitter