segunda-feira, 30 de março de 2015

Eficiência energética é o novo mercado da CPFL
Emerson F. Tormann19:12

Subsidiária que iniciou operação este ano já vê a necessidade de rever estimativa de crescimento diante do cenário mais favorável para esse mercado no país


O mercado de eficiência energética entrou na pauta de negócios da CPFL que, desde o início do ano, tem uma subsidiária para atuar nesse segmento, a CPFL Eficiência. A companhia foi criada para atuar no ambiente não regulado, e agora, com o atual momento do setor elétrico, há um pico de oportunidade de atuação, desde os projetos de eficiência, passando pela geração distribuída e autoprodução, áreas que se tornam atrativos ao passo que a tarifa de energia fica mais elevada.

Segundo o diretor geral da nova companhia, Luciano Ribeiro, o atual cenário do setor deve levar a uma revisão do plano de negócios em um futuro breve para rever as estimativas de crescimento que se tornaram mais favoráveis. Ele disse à Agência CanalEnergia que a empresa foi idealizada e estruturada no ano passado para que iniciasse as operações em janeiro de 2015.

“Eficiência energética é um assunto que está sendo muito discutido atualmente. O setor elétrico sempre investiu no sentido de aumentar a oferta de energia e no atual cenário, com a questão climática e restrições ambientais, vemos uma grande dificuldade na questão da oferta. Por isso, temos agora que atuar no consumo”, disse o executivo.

Entre os produtos que a nova empresa do grupo CPFL Energia possui estão projetos de eficiência energética com trabalho de diagnóstico e potenciais soluções por meio deretrofit, projetos de geração distribuída solar fotovoltaica que envolve desde o projeto, a instalação e operação. E ainda, automação e a inserção de novas tecnologias como cogeração. Nesse sentido, disse ele, a novidade é a possibilidade de se aproveitar o vapor de baixa pressão para o setor industrial, condensar o vapor e transformá-lo em água.

Na solar, a empresa reporta que tem notado grande interesse por essa área. Tanto que contabiliza consultas para cinco grandes projetos para a indústria de capacidades instaladas entre 0,5 MW a 1 MW de capacidade. A usina de Tanquinho, ressaltou ele, serviu como um grande aprendizado. No segmento de autoprodução, a nova empresa possui um portfólio que foi migrado da CPFL Serviços. 

“Temos hoje cerca de 90 MW instalados no Brasil. No princípio do ano aumentou para 110 MW por meio de contratos fechados para geração a diesel”, lembrou ele. A empresa atua nesse segmento como operador dessas capacidades de produção de energia em horário de ponta ou como backup para os clientes.

“Onde a tarifa é muito alta os projetos tornam-se viáveis e podemos atender no Brasil todo. Como temos sinergia com a nossa comercializadora podemos adquirir a energia excedente se o cliente não precisar desse volume gerado”, disse ele.

O crescimento da empresa, disse Ribeiro, será o resultado de uma combinação de soluções. Essa combinação passa pela tendência do avanço de projetos de GD, que ele classificou como um caminho sem volta a partir do momento que ganhar escala e ter a desoneração do ICMS. Com relação à autoprodução, a empresa considera que há, nos próximos anos, um pico de oportunidades e, de forma geral, projetos de eficiência energética. 
 
A CPFL Eficiência não deverá ficar restrita à conservação apenas de energia elétrica. No foco de atuação da empresa está ainda o gás natural e o vapor de água dos processos industriais. O foco, destacou o executivo, é agregar maior valor ao cliente proporcionando a ele maior competitividade ao reduzir custos de produção, o que traz mais eficiência.

Fonte: Canal Energia


Torre de TV - Brasília / DF
Sobre o blogueiro Emerson F. Tormann Possuo conhecimentos avançados em engenharia de redes de computadores e infra estrutura de servidores (o famoso CPD). Cabeamento estruturado: lógica, elétrica estabilizada (nobreak/gerador) e telefonia (centrais telefônicas). CFTV e sistemas de monitoramento e inspeção remotos. Facebook e Twitter